Você está aqui: Página Inicial > Notícias da Gente > Estudante desenvolve protótipo de incubadora de demanda biológica de oxigênio
conteúdo

Pesquisa

Estudante desenvolve protótipo de incubadora de demanda biológica de oxigênio

NOTÍCIAS DA GENTE

Trabalho realizado por Shirley Carla Chamby Espejo foi premiado durante o 3° Congresso de Engenharia e Ciências Aplicadas nas Três Fronteiras
publicado: 03/05/2019 17h13, última modificação: 03/05/2019 17h14

Shirley Carla Chamby Espejo, estudante do curso de Engenharia de Energia, recebeu o prêmio de trabalho destaque no 3° Congresso de Engenharia e Ciências Aplicadas nas Três Fronteiras, realizado no final de 2018, em Foz do Iguaçu. O trabalho, orientado pelo professor Oswaldo Hideo Ando Junior, focou na realização de um protótipo de incubadora portátil de demanda biológica de oxigênio (DBO), baseada no efeito termoelétrico com sistema de monitoração.

"Foi um processo longo em que a gente buscou fazer um sistema de controle de temperaturas a partir de um termoelétrico. Demonstramos, experimentalmente, que o sistema termoelétrico é capaz de estabilizar certas temperaturas. Assim, temos um controle mais técnico e poderemos resfriar ou aquecer um sistema”, explica a estudante, que é natural da Bolívia.

O trabalho foi desenvolvido por Shirley dentro do Programa Institucional de Iniciação Científica (PIBIC), na pesquisa “Projeto e desenvolvimento de novos métodos para microgeração de energia através da captação de energias residuais (Energy Harvesting)”, coordenada pelo professor Oswaldo. O plano de trabalho realizado pela estudante era voltado à análise experimental do desempenho de um microgerador (TEG) aplicado a tubulações de gases para captação de energias residuais.

Atualmente, a discente continua como bolsista no mesmo projeto de pesquisa, mas agora com um plano de trabalho que tem como objetivo o desenvolvimento de self-powered (energy harvesting), para futura aplicação em sensores autônomos. Energy harvesting é um processo pelo qual a energia de um ambiente é captada e convertida em energia elétrica para outros dispositivos, visando aproveitar a energia que está sendo desperdiçada.

“O prêmio foi um reconhecimento. E foi importante para saber que eu ainda posso superar ainda mais minhas expectativas. Foi um grande incentivo para mim, e isso é só o início de coisas maiores que ainda irão acontecer”, afirma Shirley.