Você está aqui: Página Inicial > Informes Coronavírus > Ensino Remoto Emergencial > F.A.Q. Docentes
conteúdo

F.A.Q. Docentes

publicado 04/09/2020 17h19, última modificação 04/09/2020 17h19
Perguntas e respostas frequentes sobre o Ensino Remoto Emergencial para docentes

Leia também:
F.A.Q. geral sobre o ERE

 



Para a composição dos componentes curriculares e do PPC

 

Como serão esses componentes curriculares para o ensino remoto emergencial?

Os componentes curriculares devem ser equivalentes aos contidos nos PPCs dos cursos, com cronogramas flexibilizados.

Art. 7º
§ 1º Os componentes curriculares a serem ofertados deverão ser equivalentes aos contidos nos PPCs, com cronogramas flexibilizados, e atender ao cronograma para a criação de componentes curriculares,abertura de turmas e matrículas.
I - A equivalência dos componentes deverão seguir as disposições das Resoluções nº 32/2017 e 7/2018/COSUEN.

 

Posso ofertar somente componentes previstos para 2020.1?

Não, a oferta não é restrita a componentes que estavam previstos para ocorrer em 2020.1, podendo ser incluídos componentes usualmente oferecidos em períodos pares, além de Atividades Acadêmicas Complementares (AAC), Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), Estágio obrigatório e Internato Médico, desde que aprovados pelo Colegiado de curso.

 

Eu ministro uma disciplina teórico-prática. Seria possível oferecer ao menos parte dela remotamente durante o Período Especial Emergencial?

Sim. É possível desmembrar essa disciplina em duas, oferecendo somente a parte teórica de forma remota.

Art. 8º
§ 1º No caso de componentes curriculares teórico-práticos, fica facultado aos cursos o seu desmembramento em mais de um componente curricular, e atendendo aos seguintes critérios:

 

Já que o ensino ocorrerá remotamente, significa que posso oferecer o componente curricular em qualquer turno?

Não. As atividades síncronas do componente curricular oferecido remotamente devem ser oferecidas no turno regular do curso. A exceção ocorre se houver concordância da coordenação de curso e dos discentes.

Art. 7º
§ 3º Os horários das atividades síncronas deverão respeitar os turnos de funcionamento de cada curso da Graduação e a distribuição de horários conforme Portaria nº 1.128/2017/GR/UNILA, devendo ser cadastrados no Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas - SIGAA.

 

Há alguma orientação específica para a elaboração do Plano de Ensino?

Sim. Os Planos de Ensino devem mencionar explicitamente o Ensino Remoto e especificar a metodologia de ensino e aprendizagem e avaliações. Ainda, é interessante que contenha bibliografia acessível remotamente.

Art. 8º
§ 4º Na definição das bibliografias básica e complementar nos planos de ensino, o(a) Docente deverá priorizar a indicação de referências bibliográficas que possam ser consultadas pelos(as) Discentes de modo remoto, abrindo-se exceção ao previsto inicialmente nos PPCs de cada curso.

 

Como posso ter acesso a materiais de apoio para a elaboração dos conteúdos didáticos?

A BIUNILA oferece acesso a muitas bases digitais e tem ampliado esse acesso em resposta às necessidades impostas pela pandemia. Recomenda-se fortemente que a comunidade universitária conheça e amplie o uso dessas bases. Também há um plano em elaboração para agendamento de empréstimo de livros físicos, priorizando os discentes concluintes.

 

E como podem ser as avaliações?

É recomendada a realização de avaliações em formato assíncrono, ficando disponíveis por um período mínimo de 72 horas.

Art. 8
I - Recomenda-se que sejam priorizadas avaliações em formato assíncrono, realizadas em vários momentos ao longo da duração do componente curricular, de modo a manter um acompanhamento contínuo do processo de aprendizagem;
II - Sugere-se que as atividades e avaliações assíncronas fiquem disponíveis por um período mínimo de 72 (setenta e duas) horas, visando a contornar eventuais problemas de conectividade dos Discentes.


Como será feito o controle de frequência? 

O controle de frequência poderá ser feito pela entrega de atividades, interação síncrona ou assíncrona, mas cabe lembrar que durante o ensino remoto não há reprovação por frequência. Quem tiver rendimento suficiente estará aprovado independentemente da frequência.

 

E qual o papel da Coordenação e do Colegiado do Curso?

A Coordenação e o Colegiado devem planejar a oferta dos componentes curriculares durante o Período Especial Emergencial. Isso inclui, de forma resumida, assegurar que não ocorra sobreposição das atividades, definir número de vagas e aprovar os planos de ensino.



Direitos autorais

 

Como funcionará a questão dos direitos autorais e direitos de uso dos materiais produzidos?

Estão resguardados os direitos autorais, de imagem e de som sobre o material produzido em qualquer plataforma. Cabe a cada docente decidir se disponibilizará esses materiais fora do ambiente virtual escolhido para a realização dos componentes curriculares. 

Art. 10. Cabe a cada Docente decidir sobre a disponibilização, reprodução e compartilhamento de materiais de sua autoria fora dos limites do ambiente virtual escolhido, dando ciência aos Discentes quando incluir a participação destes(as), ficando resguardados os direitos autorais, de imagem e som dos mesmos.

Art. 11. Os materiais utilizados que não forem de autoria do(a) Docente Responsável deverão conter a respectiva fonte e autor, respeitando-se ainda as demais disposições sobre os direitos autorais estabelecidas pela Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.
§ 1º A produção de conteúdo por parte do Docente responsável,disponibilizado nos limites dos ambientes de aprendizagem, é protegido pelos direitos autorais conforme Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.



Das plataformas

 

É obrigatório usar alguma ferramenta ou plataforma específica para as atividades remotas?

Não. No entanto, é obrigatório que a ferramenta ou plataforma seja acessível aos discentes. O registro das atividades acadêmicas deve ser realizado no SIGAA.

Art. 9. Será utilizado o ambiente virtual de aprendizagem institucional, o SIGAA, garantindo o acesso gratuito dos(as) Discentes e o devido registro acadêmico, permitindo-se ainda o uso de ferramentas digitais complementares, desde que haja garantia de acesso aos Discentes.

 

Que plataforma será utilizada para a abertura das turmas e registro das atividades?

As turmas serão abertas e todo o registro acadêmico deverá ser realizado no SIGAA, normalmente, mesmo que o docente decida utilizar outros ambientes virtuais para a realização de atividades e disponibilização de materiais.

Art. 9º
§ 1o É de responsabilidade do(a) Docente registrar o cronograma e todas as atividades do componente curricular na Turma Virtual do SIGAA, como materiais para estudo e avaliação, comunicações, links para as atividades síncronas (se for o caso) e tudo o que for necessário para o registro acadêmico e o acompanhamento Discente.

 



Finalização ou Suspensão do Ensino Remoto Emergencial

 

Se eu ofertar componente curricular no Período Especial Emergencial, ficarei dispensado de oferecer o componente presencialmente no retorno às aulas? 

A princípio, não. Mas se todos os discentes matriculados em um componente curricular presencial concluírem com aprovação o componente equivalente oferecido de forma remota, o componente curricular presencial poderá ser finalizado quando o calendário for retomado.

 

E se o Período Especial Emergencial for suspenso no meio do cronograma do componente curricular?

O componente curricular será continuado no formato remoto ou presencial, a combinar.

Art. 23. Caso o Período Especial Emergencial seja suspenso, as turmas em andamento terão asseguradas sua continuidade no formato remoto ou a transferência para a forma presencial, a critério do(a) Docente, consultada a turma, com apresentação de novo cronograma e ajustes do plano de ensino, a serem aprovados pelos Colegiados dos cursos de oferta.

 

Se eu não conseguir prosseguir com o ensino remoto, o que devo fazer? O que acontece?

Para os docentes, a ocorrência de condições adversas deve ser imediatamente comunicada.

Art. 12. Em caso de condições adversas que prejudiquem ou inviabilizem o desenvolvimento das atividades planejadas, em especial aquelas relacionadas à saúde do(a) Docente ou de pessoas sob seus cuidados, estas devem ser imediatamente informadas à Coordenação do Curso e à PROGRAD para providências cabíveis e informação aos (às) Discentes Matriculados.



Carreira docente

 

Como o período especial emergencial será gerido para a progressão de carreira docente?

As definições sobre procedimentos para a progressão docente durante o período especial emergencial estão sendo encaminhadas pela CPPD. Porém, para os docentes que não puderem aderir ao ensino remoto emergencial não haverá prejuízos.

Art 3º.
§ 1º A opção dos/das Docentes por não participar dessas atividades não produzirá penalidade funcional ou administrativa em seu desfavor por parte da Administração da UNILA.

Art. 22. As regras para o aproveitamento da carga horária Docente dedicada a aulas durante o Período Especial Emergencial, para a distribuição de atividades no Plano Individual de Trabalho Docente e para os relatórios de estágio funcional e progressão Docente, serão tratadas em regulamentação própria emanada pela Comissão Permanente de Pessoal Docente (CPPD), a ser apresentada em até 30 (trinta) dias ao Conselho Universitário, após aprovação desta Resolução.
Parágrafo Único. A carga horária Docente durante o Período Especial Emergencial deverá obrigatoriamente ser considerada nos processos de progressão funcional, sem prejuízo aos(às) Docentes que não puderem aderir.

 

<< Voltar à página inicial do ERE