Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Mulheres são destaque em abertura do ano letivo na UNILA
conteúdo

Institucional

Mulheres são destaque em abertura do ano letivo na UNILA

Aula inaugural com a socióloga Moema Viezzer e uma mesa composta somente por mulheres deram o tom do evento
publicado: 09/03/2018 00h00, última modificação: 12/01/2019 00h18
Exibir carrossel de imagens Mesa com mulheres da UNILA e comunidade com a socióloga Moema Viezzer

Mesa com mulheres da UNILA e comunidade com a socióloga Moema Viezzer

Ao longo desta semana, os estudantes que ingressaram na UNILA em 2018 foram recepcionados com diversas atividades - desde momentos organizados pelos próprios veteranos, apresentações culturais, explanação sobre os cursos, até cerimônias oficiais preparadas pela gestão da Universidade. Mas, o momento mais marcante, certamente, foi a aula inaugural, realizada na noite desta quinta-feira (8).

Uma mesa composta por dez mulheres deu o tom do evento: era o Dia Internacional da Mulher e, justamente por isso, a convidada de honra para ministrar a aula inaugural também era uma mulher e militante feminista brasileira das mais conhecidas e respeitadas, Moema Viezzer.

A cerimônia foi aberta pela vice-reitora, Cecilia Maria de Morais Machado Angileli, e pela vice-diretora do Instituto Latino-Americano de Arte, Cultura e História (ILAACH), professora Jorgelina Ivana Tallei, que saudaram os presentes em português e em espanhol. Cecília é a primeira mulher a integrar a Reitoria da UNILA.

 Mesa com mulheres da UNILA e comunidade com a socióloga Moema Viezzer

Também compuseram a mesa a vice-diretora do Instituto Latino-Americano de Ciências da Vida e da Natureza (ILACVN), Maria Cláudia Gross; a coordenadora do curso de Serviço Social, representando o Instituto Latino-Americano de Economia, Sociedade e Política (ILAESP), Maria Geusina da Silva; a professora Celina Felício Veríssimo, coordenadora do Centro Interdisciplinar de Território, Arquitetura e Design (CITAD), representando o Instituto Latino-Americano de Tecnologia, Infraestrutura e Território (ILATIT); a técnica em Assuntos Educacionais Daiane Araújo Bulsing, representando as servidoras técnico-administrativas em Educação (TAEs) da UNILA e também as mulheres com deficiência; a estudante Lívia Brito Barbosa, como representante das discentes da Universidade; a líder comunitária e integrante do Conselho Universitário, Elza Mendes, representando a comunidade externa; e Edna Borges Neves, representando as colaboradoras terceirizadas.

Mesa com mulheres da UNILA e comunidade com a socióloga Moema Viezzer

O tema da aula inaugural de Moema foi "A aprendizagem transformadora e a formação acadêmica". Para ela, um exemplo de aprendizagem transformadora se dá quando homens e mulheres partilham as esferas dos bens e serviços e da produção e manutenção da vida.

Mesa com mulheres da UNILA e comunidade com a socióloga Moema Viezzer

Para Moema, existe uma diferença primordial entre educação e aprendizagem: "A aprendizagem ocorre quando a gente traz esses conhecimentos para o dia a dia". Ela, que tem uma longa experiência em educação popular, afirma que "a aprendizagem transformadora não tem fronteiras", ou seja, não é restrita aos espaços da educação formal. Baseia-se, assim, em processos de diálogo.

Moema Viezzer profere aula inaugural na UNILA

A palestrante também ressaltou que os estudos de gênero não podem ficar restritos aos núcleos de estudos sobre o tema, mas devem, sim, transformar-se em uma cultura da Universidade.

Moema Viezzer profere aula inaugural na UNILA

Na visão de Moema Viezzer, o feminismo não é um movimento pensado apenas para melhorar a vida das mulheres, e sim para melhorar a vida de todos. "Não posso deixar de lado os homens, porque equidade de gênero é para toda a humanidade", completou.

 

  • Assista, abaixo, ao novo episódio da websérie Charla, produzida pela Secretaria de Comunicação Social. As entrevistadoras deste episódio foram as professoras Suelen Mayara Peres de Oliveira e Luciana Mello Ribeiro: