Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Socióloga e militante feminista, Moema Viezzer profere aula inaugural
conteúdo

Institucional

Socióloga e militante feminista, Moema Viezzer profere aula inaugural

Início do ano letivo coincide com o Dia Internacional da Mulher; tema da aula será a aprendizagem transformadora e a formação acadêmica
publicado: 07/03/2018 00h00, última modificação: 12/01/2019 00h18

Durante a programação da semana de acolhimento dos novos estudantes da UNILA, estão incluídas diversas atividades alusivas ao Dia Internacional da Mulher, que coincide com o início do ano letivo de 2018. A convidada especial deste ano é a escritora, socióloga e militante feminista Moema Viezzer, que proferirá a aula inaugural nesta quinta-feira (8), sobre o tema A aprendizagem transformadora e a formação acadêmica. A atividade está marcada para as 17h, no auditório da unidade Jardim Universitário.

Moema ViezzerEntre os diversos feitos que podem ser destacados na trajetória da convidada, está sua indicação para o Prêmio Nobel da Paz em 2005, em uma ação que propunha a candidatura de mil mulheres. Na ocasião, 52 brasileiras foram indicadas. Ela, que é uma referência feminista no Brasil, destaca que “é importante ter a convicção de que uma sociedade nunca será justa sem a equidade de gênero. Porque esta é parte da justiça social”.

Questionada sobre os pontos sensíveis em relação à (falta de) equidade de gênero, ela destaca a violência doméstica e sexual, a discriminação salarial, a falta de partilha entre mulheres e homens nos espaços de poder e o peso das estruturas institucionais que dificulta a paridade e a igualdade. “Minha primeira publicação teve como título ‘Se me deixam falar…’ e foi há 40 anos. Estávamos em plena ditadura na maioria dos países latino-americanos, e principalmente as mulheres não tinham o direito de dizer o que sentiam. (...) Mas às vezes temos a impressão de que tudo o que tinha que ser dito em relação aos direitos humanos das mulheres já foi dito. O que sentimos falta é de ver colocadas nossas propostas em prática. Por um mundo sem divisões de sexo, raça e cor, gerações, espaço geográfico, cultura e religião”, desabafa.

Na opinião dela, neste contexto, “os jovens universitários têm um grande papel neste avanço do processo civilizatório, uma vez que ainda representam uma pequena parte da população que tem acesso à informação. "Acredito que eles podem exercer um importante papel na análise de realidade, principalmente na leitura crítica da história e na preparação para conduzir estes novos tempos”.

Em sua aula inaugural, ela deverá abordar este e outros temas, especialmente no que toca à necessidade de uma “educação libertadora, diferente da educação bancária, conteudista, elitista. É da educação que visa à formação de sujeitos históricos capazes de analisar a realidade para transformá-la em benefício de todos os seres humanos e, como decorrência, em benefício do meio ambiente”.

Moema Viezzer

Idealizadora e fundadora da Rede Mulher de Educação, Moema Viezzer é reconhecida como educadora popular em movimentos sociais e precursora da metodologia de pesquisa ação participante. Esteve no epicentro das mobilizações feministas para influir na formulação da Constituição brasileira de 1988.

Facilitou a iniciativa internacional para a formulação do Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global, documento que tem influenciado gerações de educadores ambientais no Brasil e no mundo.

Sua atuação, calcada na facilitação da inteligência coletiva, continua a inspirar pessoas e grupos a buscarem “um outro mundo possível”, pautado na justiça, na equidade e na convivência entre os seres humanos, e destes com as demais espécies do planeta.

Agenda

Moema Viezzer também cumprirá outros compromissos em Foz do Iguaçu esta semana. Além de entrevistas com a imprensa local, roda de conversa na Holoteca do CEAEC e a filmagem de um documentário, ela participará das seguintes atividades:


Quinta-feira | 8 de março

18h - 8M: Marcha da Mulher (passeata pelos direitos de todas as mulheres).
A concentração será no Bosque Guarani, e a marcha começará às 19h, seguindo pela Avenida Brasil até a Praça da Paz.

Sexta-feira | 9 de março

19h - Lançamento do livro Vocação de semente - A história de uma facilitadora da inteligência coletiva, de Moema Viezzer (sessão de lançamento e conversa com a autora)
Local: Auditório do Jardim Universitário (Avenida Tarquínio Joslin dos Santos, 1000)
A atividade é aberta ao público, mas é preciso confirmar presença através do e-mail observatorioambientalfoz@gmail.com