Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Em conferência na UNILA, presidente da Andifes apresenta diagnóstico sobre situação das universidades federais
conteúdo

Institucional

Em conferência na UNILA, presidente da Andifes apresenta diagnóstico sobre situação das universidades federais

Para o reitor Ricardo Marcelo Fonseca, reconstrução simbólica e superação do “drama orçamentário” são principais desafios das instituições federais de ensino superior
publicado: 25/11/2022 14h11, última modificação: 28/11/2022 09h09

O reitor da UFPR e atual presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), Ricardo Marcelo Fonseca, ministrou uma conferência na UNILA nesta quarta-feira (23). Integrante da equipe de transição do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva, o professor apresentou dados sobre a situação atual das universidades federais do país e falou sobre os desafios futuros no cenário pós-pandemia e diante do novo governo federal. Fonseca apontou a reconstrução simbólica do papel da universidade e a superação do “drama orçamentário” como as principais tarefas das instituições federais de ensino superior nos próximos anos.

“A sociedade precisa retomar a confiança nas nossas instituições e nos ver como polos de formação, de cultura, deRicardo Marcelo Fonseca é reitor da UFPR e atual presidente da Andifes desenvolvimento econômico, de soberania. Ao mesmo tempo, temos uma tarefa de reconstrução que é concreta e, nesse sentido, nossa principal preocupação é o drama orçamentário que atinge as universidades federais desde 2016”, explicou.

Os dados apresentados durante o evento na UNILA foram os mesmos apresentados por Fonseca à Equipe de Transição durante o diagnóstico sobre a educação superior no Brasil. “As universidades federais já tiveram R$ 12 bilhões de orçamento discricionário. Mas, em 2022, o nosso orçamento foi de R$ 5,4 bilhões. Nós perdemos mais de 50% do nosso valor orçamentário real. Com uma restrição dessa magnitude, a única coisa que podemos fazer é funcionar. Não é possível pensar em obras, em projetos, em expansão, em incluir mais alunos”, salientou o reitor. O orçamento é referente às 63 universidades federais, que têm 334 campi e atendem 1,3 milhão de estudantes.

A Conferência "Educação Superior no contexto pós-Covid-19" foi promovida pelo Instituto Mercosul de Estudos Avançados (IMEA)Ricardo Marcelo Fonseca também falou sobre os bloqueios durante a execução orçamentária de 2022. “Na metade da execução orçamentária, foi retirado 7,2% do orçamento, o que equivale a R$ 438 milhões de reais de todo o sistema. Às vezes, 7% parece um valor irrisório, mas é praticamente o montante que precisamos para as universidades atuarem por um mês”, comentou.

A Conferência "Educação Superior no contexto pós-Covid-19" foi promovida pelo Instituto Mercosul de Estudos Avançados (IMEA). Além da comunidade acadêmica da UNILA, participaram integrantes da Unioeste, IFPR, PTI e Diretoria de Assuntos Internacionais de Foz do Iguaçu.

 

registrado em: , ,