Você está aqui: Página Inicial > Especialização > Especialização em Ensino-aprendizagem de Línguas Adicionais
conteúdo

Especialização em Ensino-Aprendizagem de Línguas Adicionais

publicado 08/12/2017 13h06, última modificação 07/05/2019 15h24
Apresentação

O curso de especialização em Ensino-Aprendizagem de Línguas Adicionais nasce de discussões realizadas no contexto plurilíngue da Universidade Federal de Integração Latino-Americana (UNILA), sediada na região da tríplice fronteira e criada, em 2010, com a missão de integrar solidariamente os povos latino-americanos e caribenhos a fim de pensar sociedades mais justas na região em que atua. Este objetivo seria alcançado por meio da formação de profissionais humanistas e com sólida habilidade técnico-científica para a problematização das questões relacionadas à América Latina e ao Caribe.

 

De acordo com o Plano de Desenvolvimento Institucional da UNILA, dentre os princípios da instituição, destacam-se a interdisciplinaridade, o bilinguismo e o multiculturalismo. Sobre o princípio da interdisciplinaridade, prevê-se a interação entre a diversidade de conteúdos curriculares da instituição. Já quanto ao bilinguismo e ao multiculturalismo, o documento institucional reconhece o contexto plurilíngue em que a universidade está inserida e aponta para a necessidade de um planejamento linguístico plural, que não ignore as demais línguas/culturas da região, apesar de as línguas Portuguesa e Espanhola serem as escolhidas para a comunicação no âmbito administrativo e acadêmico da instituição.

 

A UNILA opta, portanto, pela institucionalização do bilinguismo como espaço político-linguístico da universidade, contudo, fomenta-se, em todas as instâncias, reflexões acerca das demais línguas que compõem a diversidade linguístico-cultural da região implicada e aquilo que era previsto como bilinguismo, amplia-se para as línguas originárias de alunos oriundos dos mais diversos países latino-americanos. Desta forma, na UNILA professores compartilham um ambiente universitário plurilíngue, com professores e estudantes brasileiros e de outras nacionalidades, falantes de espanhol, de português e de outras línguas da região latino-americana como o já referido Guarani, o Quéchua, o Aimará, o Crioulo haitiano, entre outros.

 

Tendo em vista que as línguas formam um dos pilares da Universidade, é preciso estimular o ensino, a pesquisa e a formação continuada com cursos de pós-graduação lato e stricto sensu dentro desta área do conhecimento, o que permitirá a criação de um ambiente de intercâmbio de ideias e construção coletiva, visando atingir docentes de toda a região que compreende Foz do Iguaçu (Brasil), Puerto Iguazú (Argentina) e Ciudad del Este (Paraguai), ampliando cada vez mais as discussões.