Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Marco das Três Fronteiras pode ser primeiro patrimônio cultural tombado em Foz
conteúdo

Extensão

Marco das Três Fronteiras pode ser primeiro patrimônio cultural tombado em Foz

Projeto entregue ao Conselho de Patrimônio Cultural, Histórico, Artístico e Ambiental foi elaborado pelo projeto de extensão Tekoha Guasu
publicado: 08/06/2018 15h28, última modificação: 12/01/2019 00h19
Exibir carrossel de imagens A comissão construindo um dos centenas de marcos de fronteira. Foto: Henrique Morize – Acervo Mast

A comissão construindo um dos centenas de marcos de fronteira. Foto: Henrique Morize – Acervo Mast

O Conselho de Patrimônio Cultural, Histórico, Artístico e Ambiental (Cepac) de Foz do Iguaçu recebeu, em maio, solicitação para a abertura do processo de tombamento do Marco das Três Fronteiras como patrimônio municipal. O pedido é o primeiro a ser feito ao Município e é resultado do trabalho realizado pelo projeto de extensão Tekoha Guasu – Educação Patrimonial Material e Imaterial, desenvolvido pela UNILA desde 2015.

Um documento com a contextualização histórica da construção do Marco e um abaixo-assinado, com 600 assinaturas, foram entregues pelo coordenador do projeto, Pedro Louvain, servidor técnico-administrativo da UNILA, ao presidente da Fundação Cultural de Foz do Iguaçu e do Cepac, Juca Rodrigues, que é estudante da UNILA.

O Marco das Três Fronteiras poderá ser o primeiro bem cultural tombado de Foz do Iguaçu, a partir da Lei Municipal nº 4.470/16, que determina o tombamento, de forma total ou parcial, “dos bens imóveis, móveis e integrados existentes em seu território, de propriedade pública ou particular, que pelo seu valor cultural, histórico, artístico ou ambiental ficam sob a proteção do Poder Público Municipal.” A ideia inicial era pedir o tombamento federal e estadual, mas a aprovação da Lei 4.470, em 2016, motivou a troca de objetivo.

 A comissão construindo um dos centenas de marcos de fronteira. Foto: Henrique Morize – Acervo Mast

A escolha do Marco foi feita pelos estudantes do Colégio Estadual Ayrton Senna da Silva, em 2014, primeiro colégio a participar do projeto de extensão. Os alunos receberam informações sobre a história e importância de alguns bens imóveis do Município, como o Marco das Três Fronteiras; o Grêmio Esportivo e Social de Foz do Iguaçu (Gresfi), que foi o primeiro aeroporto da cidade; o antigo Hotel Cassino, onde hoje funciona o Senac; e a Base da Marinha. Depois disso, fizeram a escolha daquele que seria objeto de uma campanha pelo tombamento do Marco das Três Fronteiras. “O tombamento é um instrumento de salvaguarda, reconhecimento oficial de que aquele bem é portador de memória coletiva”, argumenta Louvain, lembrando que, a partir do tombamento, o bem imóvel fica protegido por regras e protocolos para o uso e manutenção.

Para ele, falta a Foz do Iguaçu o reconhecimento de seu patrimônio cultural, diferente do que acontece com o patrimônio natural, que é bastante valorizado. “O cultural tem a ver com a ação do homem”, diz, lembrando que o Paraná todo tem apenas 15 bens imóveis tombados, muito pouco em relação a outros estados como Minas Gerais e Bahia, por exemplo, que têm mais de 200 bens tombados.

Obelisco pronto com o acampamento da comissão binacional ao fundo. Foto de Henrique Morize – Acervo MAST“O caso específico do Marco das Três Fronteiras é a sua relação direta com a história da cidade. Foi erguido antes até da fundação da cidade, mas a história do obelisco não está sendo contada”, constata. Os marcos brasileiro e argentino foram os últimos dos 310 instalados entre 1902 e 1903, ao longo de 25 km da fronteira seca, para celebrar um acordo pacífico numa disputa territorial entre Brasil e Argentina. A colocação começou em Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, e terminou no Porto Meira, em Foz do Iguaçu. “Resumidamente, o Marco simboliza a resolução pacífica de um conflito territorial. Isso para a gente é uma riqueza muito grande”, comenta, lembrando que, na época, a guerra era a solução primeira para conflitos de fronteira. No caso de Brasil e Argentina houve uma arbitragem, e a colocação dos marcos fronteiriços foi feita por uma comissão binacional formada por engenheiros, pedreiros, militares, médicos e outros profissionais. “Essa história tem de ser contada pela relevância histórica do obelisco e porque ele é portador de um simbolismo que representa a fraternidade entre Brasil e Argentina”, reforça Louvain.

Parte do caminho foi feita pelo Rio Iguaçu. Foto de Henrique Morize – Acervo MAST.Uma curiosidade é que toda a expedição, que durou dois anos, foi registrada por fotografias. Por sorte, a comitiva teve o acompanhamento de um astrônomo, que devia orientar os deslocamentos – “o GPS da época”, brinca Louvain. Além de astrônomo, Henrique Morize era um dos poucos brasileiros que gostavam e faziam fotos no início do século 20. “E aí ele veio fotografando toda a expedição e a colocação dos marcos na fronteira seca”, comemora Louvain. As fotos, hoje, estão no acervo do Museu de Astronomia e Ciências Afins (Mast), localizado no Rio de Janeiro.

Pedro Louvain explica que, a partir do projeto Tekoha Guasu, haveria condições de pedir o tombamento de outros bens da cidade, mas a ideia é abrir o caminho para que moradores de Foz do Iguaçu possam se manifestar a respeito. “Nossa intenção foi dar o pontapé inicial, mostrar o caminho das pedras e deixar um precedente para que outras pessoas em Foz do Iguaçu peçam os próximos tombamentos de bens”, explica. “As pessoas que moram em Foz do Iguaçu têm mais ressonância com o patrimônio que muitos de nós, que encabeçamos o projeto e viemos de fora”, completa.

 Tekoha Guasu

 

  

 

 

 

 

Leia mais sobre o projeto Tekoha Guasu: