Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Edital que regulamenta matrículas de calouros na UNILA está disponível em Libras e áudio
conteúdo

Processo Seletivo

Edital que regulamenta matrículas de calouros na UNILA está disponível em Libras e áudio

Trabalho é desenvolvido pelo Núcleo de Apoio à Acessibilidade e Inclusão, que faz o atendimento a pessoas com deficiência
publicado: 28/01/2019 23h00, última modificação: 29/01/2019 09h42
Exibir carrossel de imagens Natan Azarias, intérprete de Libras, traduz o edital

Natan Azarias, intérprete de Libras, traduz o edital

A UNILA está fazendo seu segundo processo seletivo com reserva de vagas para pessoas com deficiência. Como parte do atendimento a esses candidatos, a UNILA oferece, também (pelo segundo ano), o edital que regulamenta o ingresso de estudantes em Língua Brasileira de Sinais (Libras), destinada aos surdos, e com áudio, para atender também cegos e pessoas com deficiência visual. Veja abaixo ou acesse.

Todos os 28 cursos da UNILA ofertados pelo Sisu, têm, pelo menos, uma vaga para pessoas com deficiência. A distribuição dessas vagas atendem a leis e decreto federais, que regulamentam as ações afirmativas nas universidades e estabelecem os direitos das pessoas com deficiência.

Edital do Sisu 2018 traz cotas para pessoas com deficiênciaO edital em Libras é uma preocupação de atender a todos. “A gente tem a preocupação de dar acesso à Universidade e tem de mostrar aos surdos que serão bem recebidos. A questão de colocar um vídeo, um edital, uma chamada nas mídias sociais, já mostra para o surdo que, aqui, ele vai ter acesso a tudo na linguagem dele”, diz Natan Reis Azarias, tradutor intérprete de Libras e integrante do Núcleo de Apoio à Acessibilidade e Inclusão (NAAI). Segundo ele, a intenção é que todo o edital da Graduação, voltado para a comunidade externa, seja editado em Libras – internamente, existe acompanhamento pontual e presencial, de acordo com a demanda dos estudantes.

Núcleo

O NAAI faz o acompanhamento de todos os estudantes com deficiência e é composto, ainda, por intérpretes de Libras, pedagoga, psicóloga, assistente social e técnicos em assuntos educacionais. Em 2018, com o aumento da demanda, foram feitos investimentos em equipamentos, como uma impressora para materiais destinados a cegos. O Núcleo também organiza palestras e eventos e auxilia outros órgãos públicos no atendimento a pessoas com deficiência.

Até 2017, o NAAI fazia o atendimento a partir das demandas da comunidade universitária, uma vez que não era possível saber, na seleção, quais eram os estudantes que necessitariam de acompanhamento. “Com as cotas, a Universidade consegue saber quem são os estudantes e quais são as suas deficiências. Por exemplo, temos uma aluna de Serviço Social que ficou cega depois de adulta e teve um acompanhamento bem de perto. Tivemos de envolver outros órgãos da Universidade, a exemplo da TI, para adaptar materiais e conseguimos um netbook com alguns softwares próprios para pessoas cegas”, explica Helen Passeri, psicóloga e também integrante do NAAI. No ano passado, 12 estudantes ingressantes foram atendidos pelo Núcleo.

Bancas

Neste ano, o estudante que estiver concorrendo às vagas reservadas para pessoas com deficiência, além de apresentar os documentos exigidos, terá que se submeter a uma entrevista com a banca de avaliação, que atestará se a pessoa realmente se enquadra nos critérios. A banca é multiprofissional, composta por médicos, enfermeiros, psicólogos, pedagogos e técnicos em assuntos educacionais. A entrevista será realizada durante a matrícula presencial.

O candidato deve ficar atento, pois apenas as condições descritas no artigo 4º do Decreto Federal 3.298/1999 são consideradas deficiência para o acesso à UNILA. “Não é qualquer doença que é considerada deficiência. Tivemos de dar muitas explicações sobre isso no ano passado, porque as pessoas pensavam que, com qualquer deficiência, poderiam se inscrever nas cotas, mas as deficiências incluídas nas cotas estão descritas na lei”, ressalta Helen Passeri. Doenças renais, transtornos de aprendizagem e doenças mentais, como esquizofrenia, por exemplo, não se enquadram nos critérios para a reserva de vagas.

A psicóloga lembra que as cotas são para estudantes brasileiros e que os estrangeiros que ingressarem na UNILA em 2019 e tiverem deficiência ou necessidade de educação especial devem informar a condição no ato da matrícula.

O Núcleo de Apoio à Acessibilidade e Inclusão atende no Jardim Universitário, na sala C105. O contato pode ser feito pelo e-mail nucleo.acessibilidade@unila.edu.br, ou telefone (45) 3529-2159.

Leia também:

 

 

registrado em: , , ,