Você está aqui: Página Inicial > Mestrado > Mestrado em Literatura Comparada > Perguntas frequentes / Preguntas frecuentes
conteúdo

Perguntas frequentes / Preguntas frecuentes

publicado 09/10/2020 17h11, última modificação 14/10/2020 01h31
Perguntas frequentes / Preguntas frecuentes

MANUAL DO ESTUDANTE (clique aqui)

1. O processo seletivo de alunos regulares é anual ou semestral?

R: Anual. Geralmente o edital de seleção é publicado em setembro para ingresso no ano seguinte, mas pode haver alterações nesse cronograma, por isso é necessário acompanhar com frequência a publicação dos editais. Você pode fazer isso clicando aqui.

2. Quais os critérios para ingressar como aluno regular no mestrado em Literatura Comparada? Preciso de uma formação específica?
R: Os critérios são definidos em edital, mas o requisito básico é ter concluído um curso de graduação, além de possuir um projeto de pesquisa dentro da área de concentração do programa. A publicação dos editais pode ser acompanhada clicando aqui.

3. Gostaria de me matricular em uma disciplina desse mestrado como aluno especial. O que devo fazer?
R: Para ingressar como aluno especial você deve participar do edital de seleção de alunos especiais que é lançado semestralmente. Os critérios de seleção são definidos nestes editais, mas de modo geral o critério básico é ter concluído um curso de graduação em qualquer área do conhecimento. Para acompanhar a publicação de editais, clique aqui.

4. Além do meu idioma materno, devo ter proficiência em algum outro idioma? 

R: Sim, os hispanohablantes deverão se submeter a exame de proficiência em português e os lusofalantes deverão se submeter a exame de proficiência em espanhol. Em ambos os casos, o estudante deverá ser aprovado no exame ou ter o pedido de dispensa do exame aprovado pelo colegiado até a data da banca de defesa da sua dissertação.

4. O curso é pago? 
R: Não. Nosso curso é 100% público, gratuito e de qualidade.

5. Existe possibilidade de receber bolsas de estudos durante a realização do curso?
R: Sim, existe essa possibilidade, mas está condicionada à disponibilidade orçamentária da Universidade e das agências de fomento da pós-graduação. Não há garantia.